ÚLTIMAS NOTÍCIAS

6/recent/ticker-posts

Crianças pequenas podem ter asfixia com máscara de proteção e não devem usar

Apesar de não serem tão afetadas pelo novo coronavírus, crianças ainda podem transmitir COVID-19 mesmo sem apresentar sintomas. Sendo assim, as medidas de prevenção contra o vírus também se aplicam a elas – mas é preciso tomar cuidado com as máscaras, que, segundo médicos, não devem ser usadas naquelas que têm menos de dois anos de idade.

Menores de dois anos não podem usar máscara

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), crianças são tão suscetíveis a contrair o SARS-CoV-2 quanto outros grupos de pessoas e, ainda que seja menos provável que elas desenvolvam quadros severos, também devem adotar medidas de prevenção para impedir o máximo possível de transmissões. Entre estas medidas está o uso de máscaras, mas nem todos os pequenos podem utilizá-las.


Conforme explica Miriam Cardoso Neves Eller, pneumologista do Sabará Hospital Infantil, crianças menores de dois anos não devem usar máscaras porque o ato é perigoso para elas. “Elas têm risco de asfixia devido a vias aéreas menores e por não conseguirem retirar [a máscara] sozinhas adequadamente”, afirma a especialista.

Segundo ela, crianças com mais de dois anos podem e devem usar máscaras para prevenir COVID-19 caso tenham de sair de casa, mas precisam ser assistidas por adultos ao vesti-las. “O ideal é que os pais coloquem e retirem a máscara da criança tocando apenas o elástico. A máscara deve cobrir a boca e o nariz e estar bem ajustada ao rosto, de forma confortável”, diz Miriam, reforçando orientações que elas devem receber.

É importante orientar a criança a não ficar tocando na máscara, nem no rosto e nem lamber ou morder a máscara pois, se ela estiver úmida, reduz a proteção”, explica a médica, citando também que o adulto deve higienizar devidamente as mãos antes de colocar ou tirar a máscara da criança, e que o tempo máximo de uso deste item é de duas horas (ou menos, caso ela fique úmida).

Como proteger menores de dois anos

Mesmo em meio à pandemia, Miriam lembra que pode ser necessário sair de casa com crianças bem pequenas para, por exemplo, consultas médicas ou vacinação. Quando a orientação de permanecer em casa não pode ser cumprida e a criança não pode usar máscara, a médica indica formas de prevenir que elas sejam infectadas por COVID-19 mesmo sem essa barreira protetora:

  • Evitar que a criança toque superfícies de uso comum como corrimão e maçanetas;
  • Limpar as mãos da criança com álcool em gel caso elas toquem em algo;
  • Não deixar que elas compartilhem brinquedos ou objetos de uso pessoal;
  • Manter uma distância segura de outras pessoas sempre que possível (dois metros, ao menos);
  • Caso a criança já saiba andar, é indicado colocá-la no carrinho para que seja mais fácil contê-la.

É importante lembrar também que, além de cuidar das crianças, os adultos devem adotar as medidas de prevenção para si mesmos, prevenindo o contágio tanto deles quanto dos pequenos. É essencial, portanto, que eles saiam de máscara (vestindo e retirando o item com mãos limpas), evitem tocar o rosto, lavem as mãos com frequência, não compartilhem itens pessoais e só saiam de casa quando inevitável.

Além disso, crianças maiores de dois anos também devem seguir as medidas preventivas mesmo que de máscara, portanto é importante instrui-las corretamente sobre a necessidade de manter bons hábitos de higiene, assistindo-as sempre que possível.

FONTE

Postar um comentário

0 Comentários